Indústrias culturais e o diálogo das
civilizações das Américas



Em resumo

  • Um evento cultural e científico reunindo em Montreal participantes das duas Américas entre os dias
    17 e 19 de setembro de 2001. Com conferencistas convidados dos Estados Unidos, do Canadá e da América Latina.


  • Um colóquio favorecendo o diálogo entre pesquisadores universitários, empresários, profissionais e representantes
    governamentais das áreas da cultura e das comunicações.


  • Um encontro centrado nas relações economicoculturais e o desenvolvimento de intercâmbios entre os povos
    americanos, no que diz respeito à diversidade, seguindo a convocação da ONU em fazer de 2001 o Ano do Diálogo
    entre as Civilizações.


  • Intercâmbios que se desenvolvem nas quatro grandes línguas das Américas (inglês, espanhol, francês e português),
    com tradução simultânea.


  • Um colóquio em sinergia com um outro encontro internacional sobre um tema vizinho, 2001 Bugs, Globalismo e
    Pluralismo, que reunirá em Montreal participantes dos cinco continentes.


  • Um evento que relembra a assinatura, há 300 anos, do primeiro tratado entre brancos e nativos.

  • Um programa de atividades organizado sobre cinco grandes temas:


  • 1) O Estado e a diversidade cultural

    2) Línguas de comunicação e intercâmbio cultural

    3) Economia e cultura

    4) Intercâmbio cultural e vida democrática

    5) A participação dos indígenas nos intercâmbios
    culturais entre os países americanos.


    Problem‡tica

    No dia 4 de novembro de 1998, durante sua 53» Sessão Plenária, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou uma
    resolução proclamando 2001 como o Ano das Nações Unidas para o Diálogo entre as Civilizações (Resolução n" 53/22).
    "Consciente das realizações das diferentes civilizações, que participam do pluralismo cultural e das diversas formas da
    criatividade dos seres humanos (…a ONU) se declara fortemente decidida a facilitar e promover o diálogo entre as
    civilizações".

    Um outro fórum internacional se dedica igualmente às questões dos intercâmbios culturais. Apesar do fracasso de
    Seattle, é de fato provável que voltem a ser o centro dos debates ao longo das próximas negociações sob a égide da
    Organização Mundial do Comércio. Serão os produtos e os serviços culturais submetidos às mesmas regras comerciais
    que prevalecem no intercâmbio de bens materiais? O último Encontro da Francofonia, por sua vez, preferiu a adoção de
    regras de intercâmbio específicas para o setor cultural.

    A Conferência de Montreal se situará em um prolongamento dos encontros realizados em Santos (Brasil), em setembro
    de 1997, organizado por José Marques de Melo, e o de Austin (EUA), em junho de 1999, organizado por Joseph Straubhaar.
    Ela estará centrada sobre a análise da evolução das indústrias da cultura e das comunicações nas Américas. E isso acontecerá
    dentro de uma perspectiva particular do diálogo entre as civilizações.

    Os trabalhos do Colóquio, com a participação de representantes de empresas, de profissionais e dos governos, bem como
    da comunidade acadêmica, serão reagrupados em cinco grandes temas:

    1) O Estado e a diversidade cultural

    Políticas nacionais de cultura e de comunicações. Posicionamento dos Estados em relação às especificidades dos produtos e
    serviços culturais. Regras de intercâmbio nos acordos comerciais internacionais. Papel dos poderes públicos locais e das
    instâncias regionais e internacionais.

    2) Línguas de comunicação e intercâmbio cultural

    O predomínio do inglês nos produtos culturais clássicos, nas novas mídias e na Internet. A presença do francês, do espanhol,
    do português e das línguas nativas na Internet.

    3) Economia e cultura

    O papel do setor privado no intercâmbio de produtos e serviços culturais entre os países americanos. O impacto dos acordos comerciais. A fusão de empresas e a convergência das comunicações. As indústrias da cultura e das comunicações contribuem
    para o diálogo entre as civilizações e para a diversidade cultural?

    4) Intercâmbio cultural e vida democrática

    O papel da cultura na vida democrática. A cultura e a vida associativa. Cultura, democracia e novas tecnologias, em especial
    a Internet. Culturas minoritárias e democracia.

    5) A participação dos indígenas nos intercâmbios culturais entre os países americanos.

    Relação entre culturas tradicionais e novos meios de comunicação. A perspectiva dos povos nativos.
    Intercâmbio entre os indígenas dos diversos países da América. Indústrias culturais nativas.


    Comitê de Programação:

    Lucia Castellón - Decana da Facultad de Comunicación, Universidad Diego Portales, Santiago, Chile.
    Bernard Cleary - Presidente e Diretor-geral do Groupe Cleary, Quebec, Canadá.
    François Demers - Professor da Université Laval, Quebec, Canadá.
    Delia Druetta Crovi - Professora do Departamiento de Ciencias Políticas, Universidad Nacional Autónoma de México,
    Cidade do México, México.
    José Marques de Melo - Professor da Faculdade de Comunicação, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo
    do Campo, Brasil.
    Robert Pilon - Vice-presidente da Coalition pour la Diversité Culturelle, Montreal, Canadá.
    Marc Raboy - Professor da Université de Montréal , Montreal, Canadá.
    Henrique Sánches Ruiz - Professor do Departamiento de Comunicación, Universidad de Guadalajara, Guadalajara, México.
    Joseph Straubhaar - Professor do Audiovisual Departement, School of Communication, University of Texas at Austin, Austin,
    Estados Unidos.
    Gaëtan Tremblay - Professor do Département des Communications, co-diretor do Gricis, Université du Québec à Montréal,
    Montreal, Canadá.

     

     

    InicioO GricisFale conosco          2001 Bugs